A Solidão do Nego D’Água

Publicado em Artigos

Nego DÁguaDistante das margens,

Do leito do rio, teu protetor!

Mesmo que da morada faça

Abrigo ao terror,

És uma criatura inocente!

Teu assombro é encanto,

História de nossos avós,

Barcas fantasmas, sereias

E serpentes!

Por que tu andas fora do leito?

E este leito agora chora,

A dor do pescador,

Que no peito sente,

Sentindo que foi embora!

Tuas diabruras, brincadeiras,

Que enfeitavam noites inteiras,

Eram contos para crianças

Que dormiam em esteiras

Como estrelas a iluminar,

Os caminhos do rio, teu lar!

Oh, São Francisco!

Que dor! Que arrepio!

Do vapor, o apito!

Da serpente, a ilha!

Do trem, a velha estação!

Do Nego D’Água, solidão!

 

* Paulo Carvalho - editor do jornal A Notícia do Vale

 

 Foto: Aryellson Alves 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar