A intolerância é intolerável

Publicado em Artigos

Em pouco mais de uma semana, no asfalto em frente ao prédio onde mora o apresentador Jô Soares, 77 anos, foi pichada a frase “Jô Soares morra”, o Facebook estampou sobre Fernando Morais:  "Por favor, alguém mate esse lixo humano” e a menina Kaylane Campos de 11 anos foi apedrejada no Rio de Janeiro. Ainda sobre Fernando Morais, publicaram no facebook “esse Fernando Morais é mesmo um grande filho da puta, como todo bom esquerdista”, é "autor do livro MENTIROSO sobre a vida da comunista de merda Olga", em referência a Olga Benário. Motivo das agressões: Jô Soares entrevistou a babatorres1Presidenta Dilma, Fernando Morais exerceu o direito constitucional de criticar a desastrada visita de senadores a Venezuela com alto custo ao erário público, portanto, pago por nós brasileiros, e Kaylane Campos participou de uma festa de candomblé. Se por um lado, a menina Kaylane não é uma celebridade, Jô Soares e Fernando Morais são consagrados jornalistas e escritores, que há décadas contribuem com a cultura e a formação intelectual do país. Mas grandeza e reconhecimento, até internacional, não são suficientes para inibir agressores. Ao invés do embate das idéias, da manifestação legítima da visão crítica ou contrária, pedem morte. Busca-se a legitimação do argumento da força, ante a ausência da força do argumento.

Se até o Papa Francisco, o representante de São Pedro aqui na terra, por suas lúcidas e corajosas posições é acusado de comunista e recebe por isso críticas e repúdios, imagine os pobres mortais filhos de Eva!  Atenção caçadores de plantão, não estou me insinuando para as fileiras das celebridades não. Sou plenamente consciente da minha pequenez ante tantas grandezas. Apenas me sinto incluído entre os milhares de agredidos com bullying eletrônico.

Por defender a democratização dos espaços públicos, criticar a negação de direitos de cidadania na nossa urbe e chamar a atenção para os ataques ao Papa Francisco, fui xingado de comunista e herege que anda em Cuba, que deveria estar ao lado do ditador coreano e, por fim, sugerido que comprasse uma passagem só de ida para uma sociedade comunista. Por expressar o que penso, há quem defenda a minha expulsão do país.

Hoje não se critica o escrito e sim o escritor. Não se contrapõe argumentos ou pontos de vista às idéias defendidas por alguém. Simplesmente desqualifica-se e agride-se quem as defende. Fico me perguntando se no Brasil de hoje sobreviveriam importantes cronistas como Machado de Assis, Lima Barreto, Rubem Braga, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Nelson Rodrigues, Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Vinicius de Moraes, Antonio Maria, Sérgio Porto e outros que nos ajudaram a crescer intelectualmente e nos embeveceram por décadas com seus escritos. Eles eram críticos, conseqüentemente polêmicos, alvos perfeitos para as agressões que hoje se pratica. Provavelmente nos tempos atuais já teria sido sugerida a morte dos “mulatos” Lima Barreto e Machado de Assis pelas contundentes críticas dos costumes e valores, o “pornográfico” Nelson Rodrigues já teria levado muita porrada, pelo reconhecido mal humor Rubem Braga estaria impedido de viver na bela cobertura da alegre e descontraída Ipanema, se exigiria rigorosa ação da justiça contra Drumonnd de Andrade pelo “imoral” amor à sua filha Maria Julieta, Clarice Lispector já teria sido execrada nas redes sociais como ”prostituta”, teria sido decretado  o ostracismo do “bêbado” Vinicius de Moraes, pedido  o internamento e tratamento para o “deprimido” Antonio Maria e, no mínimo,  incurso na Lei Afonso Arinos o “racista” Sergio Porto (Stanislaw Ponte Preta) pelo seu Samba do Crioulo Doido. A brilhante obra de cada um deles seria também obscurecida pela insanidade daqueles que, por não terem inteligência suficiente para contestá-los, optam pelo caminho fácil da agressão moral e física, pois, se inteligentes fossem, também teriam substância para mostrar, ao invés de se beneficiarem do anonimato para permanecerem no terreno rasteiro das ofensas.

Conheço muita gente que se encolhe e cala por não estar disposta a se expor a agressões ou difamações de quem se afirma com um “não li e não gostei”, enquanto esgrime intelectualidade googliana.  Muita gente que poderia contribuir enormemente nos debates sobre o momento que vivemos não o faz para se poupar desses dissabores.

Recomendo voltar no tempo e olhar atentamente o exemplo da Alemanha, que mesmo sendo uma sociedade progressista e civilizada, em determinada época permitiu uma intolerância que descambou para a perseguição e culminou com o extermínio de judeus, comunistas, homossexuais, ciganos e até deficientes físicos. O resultado, sabemos, foi um desumano conflito de proporção mundial que matou cerca de cinqüenta milhões de pessoas.

Tudo começou com a simples intolerância ao direito do outro.

Omar Babá Torres

Querem arrastar a Igreja para o volume morto?

Publicado em Artigos

Querem arrastar a Igreja para o volume morto?

 

artigoToda a existência do PT, do nascimento à glória, e da glória ao atual fundo do poço (ou ao volume morto, na expressão usada pelo próprio Lula) se fez sob incondicional apoio da CNBB e de suas pastorais. A exceção, se houver, que se identifique.

 

Aliás, Lula e o PT sabem: os tenebrosos dias que se avizinham serão enfrentados ao abandono de muitos dos seus antigos seguidores. Há um grupo, porém, que não o abandonará. Esse grupo é formado por religiosos, padres e bispos que foram buscar água benta na Teologia da Libertação e chegaram ao poder da entidade em 1971, com D Aloísio Lorscheider. A partir de então, foi um Deus nos acuda. São João Paulo II, que conheceu o comunismo desde as entranhas, condenou a Teologia da Libertação (TL) em documento da Congregação para a Doutrina da Fé. Esse texto, de 1984, deixa claro ser a TL uma teologia marxista, de classe, "que confunde o pobre da escritura com o proletário de Marx".

 

Nada melhor do que ler Frei Betto para saber o quanto essa confusão é real. Em "O paraíso perdido" ele relata dezenas de viagens que fez para levar a TL a Cuba e aos países do Leste Europeu onde o marxismo-leninismo já estava instalado. Com a TL ele conseguiu tornar comunistas milhares de cristãos do nosso continente, mas não conseguiu converter ao cristianismo um único líder comunista. Falando ao site Opera Mundi, em junho do ano passado, o frei confessou a estreita ligação da TL com aquela doutrina: "João Paulo II era um homem conservador que, quando foi bispo do Concílio Vaticano II sempre votou com os conservadores. Anticomunista visceral, jamais entendeu ou assimilou a Teologia da Libertação". É essa TL, rejeitada por anticomunistas (exatamente por ser o que é) que inspira parte significativa do clero católico brasileiro e continua incrustada como ácaro nas paredes e estruturas da CNBB e de suas pastorais. Ora, quem mistura religião com comunismo transforma uma coisa na outra. Daí essa obstinação que nada aprende da experiência, da evidência e do absoluto fracasso da doutrina abraçada.

 

Foi o que, às vésperas das manifestações de março, levou o alto comando da CNBB até Dilma, para dizer-lhe, entre excelências e eminências, que não viam motivos para o impeachment. E foi o que agora, dia 20, levou D. Pedro Stringhini e dirigentes de pastorais sociais ao investigado e mal afamado Instituto Lula. Nesse encontro, coube a Luís Inácio a tarefa de desancar o próprio partido e o governo Dilma. E coube ao bispo dar a absolvição, explicando o que os motivava neste momento de crise: "É importante reconhecer o senhor e os avanços em seus oito anos de governo. Mas, diante da crise atual, esse esforço tem de ser continuado". Em outras palavras, nada mais importante do que o PT e seu governo. Dane-se tudo mais.

 

Mesmo que a Polícia Federal rastreie as digitais de Lula. Mesmo que, tantos petistas estejam na cadeia. Mesmo que o "protetor dos pobres" seja um patrocinador de bilionários, inclusive em causa própria e de seus familiares. Mesmo que tantos petistas ataquem frontalmente os valores cristãos. Mesmo que, nestes dias, os companheiros do ex-presidente estejam, em todo país, forçando Câmaras de Vereadores e Assembleias Legislativas a incluir a ideologia de gênero nas tarefas "educacionais" de suas redes de ensino. Mesmo que a casa caia e que a mula manque e que com tais manifestações de autoridades eclesiásticas a Igreja esteja sendo arrastada junto para o volume morto, dane-se tudo mais porque o ultrajante apoio persiste.

 

* Percival Puggina (70), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.

@ Editorial: Casa Nova e seus 136 anos

Publicado em Artigos

@ Editorial

A histórica Casa Nova e seus 136 anos de emancipação política

DSC 0105O município de Casa Nova completa este ano 136 anos de emancipação política. É histórica sua história, desde os mais antigos à nova geração que se identifica com a sua luta, com a sua política, forma de governo, ilustres personalidades da literatura, da cultura popular, da música, dos teatros populares e do incansável desejo de ver a cidade ribeirinha se encantar como menina a cada ano que passa.

Politicamente Casa Nova ferve, e nas retóricas a verve dos seus representantes soa como poesia nos palanques festeiros da sede e interior. Seu desenvolvimento é notável, comércio pujante, população crescente, rituais de fé, manifestações culturais... Enfim, Casa Nova em seus 39 anos de cidade e 136 de emancipação, é uma menina madura, inteligente, precoce na política, mas não nos políticos, que ainda se acham donos de sua história, caducos que são querem se perpetuar no poder, mesmo tendo consciência que já serviram o município, deram a sua contribuição valorosa, mas pensam em voltar, nem que seja para deixar marcada a velha e enfadonha maneira de governar, como nos tempos dos coronéis.

Aí nos perguntamos, vale a pena? Casa Nova merece isso? Em seus generosos 136 anos, os casanovenses querem avançar ou retroceder? Ou o pior, retroceder com quem não tem mais nada a oferecer ao povo lutador desta terra. A pergunta vai também para os mais novos, essa geração cantante e encantadora, que ao contrário do que pensam, não é apenas festeira, do “oba-oba”, dos desfiles na FESTA DO INTERIOR, que inclusive ainda é a chama da esperança de quem vive no campo e pode partilhar com o comércio e o povo da cidade. Na verdade, ainda a melhor tradição e tradução do que é ser casanovense.

Essa geração de que falamos, não só curte modismos e festas, essa geração está viva na política, nos debates, nas escolas, nas ruas e nos movimentos. Existe sim, uma geração em Casa Nova pensante e que quer, e que vai se inserir no meio do povo e da política para mostrar que “política não é coisa de velho”, é muito mais que isso, é e deve ser representação dos anseios populares, e principalmente ideias novas, energia nova, lutas e conquistas novas, para que o novo seja sinônimo dessa cidade, que a cada geração renasce das cinzas, ou melhor, das águas, das águas turbulentas da velha política.  

Salve Casa Nova! Salve o povo ribeirinho! Salve os casanovenses! Juventude, povo e história!

PARABÉNS! 

Lenda das Três Fogueiras

Publicado em Artigos

GetAttachmentLenda das Três Fogueiras

* Paulo Carvalho (SPO)

No mês de junho as festas

Se multiplicam no interior

Folguedos, crenças e estas

Novenas, também são ritos de louvor!

                   E por falar em festas juninas

                   Escola, meninos e meninas

                   Antônio, João, Paulo e Pedro,

                   Zefinha, Mariquita e seus folguedos...

...Já estão quadrilhando

No arraiá do ABC

Santos no oratório parecem crer

Que são festeiros no meio do bando...

                   ...De caipiras e caiporas

                   Imitando gente boa

                   Do folclore de outrora

                   Porque festeiro de época ri à toa!

Antônio, coitado de cabeça

Pra baixo ficou

Por não atender a doença

Da solteirona que queria um amor.

                   João então veio com mania

                   De batismo, e celebrou o ato

                   Matrimônio virou festa de gaiato

                   E eterno sinônimo de nostalgia!

Com o tempo Pedro descobriu

Que Antônio era casamenteiro

E que ele não tinha nada de chaveiro

E João, pois não, só batizava no rio!

                   Mas Iracema, Lena e Josefina

                   De laço na cabeça, bordado e luvas

                   Depois do batismo ficaram viúvas

                   E lá se foram às crenças nas festas juninas!

* Paulo Carvalho é jornalista, poeta e escritor

 

 

Inverno de saudade

Publicado em Artigos

FotoAmorim51kbNão quis dizer solidão. É que o inverno chegou e uma saudadezinha escondida insiste em levantar a voz. Saudadezinha doída, vem me lembrar, atrevida, que amor a gente não esquece. Que cada carinho é um carinho, que cada ternura é só uma, que amor não morre jamais. E eu não esqueço de você. Porque gosto de você. Sei que já disse isso, mas eu gosto de você. Junto de você, gosto do frio que aconchega, gosto da chuva lá fora, a ninar nossos sonhos. E gosto do seu sorriso. Seu sorriso, minha musa, é minha casa, o meu mundo, o meu tudo. É minha luz, porto seguro, o meu horizonte, infinito. Seu sorriso é minha vida. Seu sorriso é boa vinda, é ternura do aconchego, é calor que me aquece. Seu sorriso é primavera que se espalha por seu rosto e sorri a sua boca e sorri o seu olhar e sorri seu coração e sorri a sua alma...Ah, o seu sorriso... é meu ponto de partida e meu ponto de chegada... Como vou fazer poesia, se o seu sorriso tão meigo é o verso mais bonito que jamais vou escrever? Minha poesia é você. Pra que então escrevê-la? Fiz-me poeta em você, poeta em seu amor... Vem comigo, minha musa, vem morar neste poema... Este poema, seus olhos, imenso poema de amor. Vejo nós dois espelhados, nos grandes lagos castanhos cristalinos, os seus olhos. Navegamos mansamente, nas serenas águas claras, cheias de luz e poesia. É nossa grande viagem, percorrendo os caminhos que nos levarão de encontro à descoberta de nós. Então vem, e afugenta a saudade vadia, que passeia insistente, pelo fundo dos meus olhos. Vem mandar embora essa saudade que brinca com a tristeza que transcende o meu olhar, tentando invadir meu coração para matar todas as flores que você desabrochou em mim...

 

 

 

 

Por Luiz Carlos Amorim - Escritor, editor e revisor – http://luizcarlosamorim.blogspot.com.br