Savana se prepara para novos voos

Publicado em Casa Nova

thumbnail savana 1Renovação da política baiana, Saney Savana se prepara para novos voos e projetos para Casa Nova.

Aniversariante da semana, a empresária casanovense, Saney Savana, afirma que continua atenta às demandas de Casa Nova, município do Norte baiano. Savana disputou as eleições municipais de 2016 como candidata a vice-prefeita na chapa encabeçada por Anísio Viana. 

Jovem e com muita vontade de trabalhar por sua terra, nesta semana em que comemora idade nova, Savana fala de sua vontade em fazer muito por sua terra. Ela tem estado atenta e observando como andam os bastidores políticos em sua cidade, região, estado e País.

Savana diz que virão novidades, mas ainda não pode adiantar. Ela faz é questão de dizer que estará sempre perto dos que acreditam nela e que sabem de sua vontade e coragem para trabalhar por Casa Nova. 

“Independentemente de estar ou não em época eleitoral, sou uma pessoa que está pronta para ajudar a cada momento. Levar minha força, coragem e luta a todos e todas que precisarem”, afirma a empresária que tem no seu carisma o seu principal dom para conquistar a admiração e o carinho das pessoas.

Novos voos

Saney Savana tem sido revelação na política baiana. Empresária, mãe, mulher de fibra, como ela gosta de se definir, tem na política uma de suas paixões, por saber que através dela pode fazer muito pelos conterrâneos casanovenses. Antes de entrar para o desafio de integrar uma chapa majoritária, Savana já tinha sido candidata à vereadora em 2012. 

A vontade é continuar para mostrar a força feminina na política baiana e de Casa Nova e do que é capaz para melhorar a vida, especialmente dos que mais precisam.

“Não fiz uma campanha de vice, mas sim de muita responsabilidade que chamei pra mim. Se seria vice novamente numa eleição futura? Afirmo que não. Tenho trilhado meu próprio caminho, aprendido um pouco a cada dia, com o homem do interior, com as pessoas da sede, que o nosso município precisa de um governo justo, para o povo. Não acredito que o dinheiro seja o ponto principal para se ganhar uma eleição, mas projetos e responsabilidade para com o município e as pessoas. A cada dia me preparo mais”, assinalou.

Savana conta que tem caminhado, conversado com o povo da cidade, do interior, dando um passo de cada vez. “Venho me preparando e sei que o nosso dia vai chegar”, concluiu a empresária que é um dos bons quadros da renovação política do Norte baiano.  

Por Cinara Marques/foto: Divulgação                                                                     

Valério Rocha é o novo presidente do PT de Casa Nova

Publicado em Casa Nova

thumbnail IMG 20170409 WA0037

José Carlos Borges não  é mais o presidente do PT . Valério Rocha teve 103  votos e José Carlos, 73.

O domingo (09) na cidade de Casa Nova foi destinado para os petistas se dirigirem a urna no Colégio Getúlio Vargas e votar no candidato de sua preferencia, Zé Carlos Borges ou Valério Rocha.

Dos 180 votantes, Valério teve 103 votos, enquanto que Zé Carlos conseguiu somente 73 e o restante optou polo voto nulo e branco.

Diante do resultado,  Zé Carlos deixa o reinado e assume o seu lugar, o jovem Valério Rocha, que é ligado ao Gato e a Gata da APLB.

 

 

 

 

 

 

 

Foto: Divulgação

Prefeito de Casa Nova anuncia Concurso Público

Publicado em Casa Nova

DSC 0078No pronunciamento do prefeito de Casa Nova, Wilker Torres, durante a Audiência Publica realizada ontem 07, no Plenário da Câmara Municipal para discutir geração de emprego no município com as empresas que estão construindo um Parque Eólica, ele disse que o governo está se preparando para realizar um concurso público ainda esse ano.

''O concurso público é um anseio da população e uma prioridade do nosso governo. Iremos também, disponibilizar um curso preparatório totalmente gratuito para os casanovenses que irão fazer o concurso, queremos capacitar à população para que a maioria das vagas seja ocupada por casanovenses'' enfatizou o prefeito Wilker Torres, que aproveito também para deixar bem claro que as vagas são para  as escolas do interior do município. Ou seja, quem se inscrever para o concurso, precisa estar consciente que vai trabalhar nas escolas do interior do município.

Na cidade as vagas estão todas ocupadas. Tá é sobrando professor, considerando que a gestão passada, achou por bem, atender pedidos de professores que prestavam seus serviços nas escolas das localidades e as remanejou para a cidade. Agora, está faltando o profissional no interior e por isso o governo vai ser preciso fazer um novo concurso público para suprir a necessidade das escolas e assim atender aos estudantes que moram no campo. Não é seletivo. É concurso público, mesmo, EFETIVO!

 

Da Redação/Foto: Luiz Washington

Parque Eólico Casa Nova I: desperdício, abandono, calote, desonestidade e falta de planejamento

Publicado em Casa Nova

thumbnail Sindpave Chesf Wobben e Barros1Em agosto de 2014, 400 funcionários remanescentes das empresas TEC, DOIS A, CGE, Construcel e IM, todas subcontratadas pela IMPSA Wind, realizaram a última manifestação tentando receber salários atrasados e as indenizações devidas pelo tempo trabalhado na construção do Parque Eólico Casa Nova I, de propriedade da CHESF e com previsão para a construção de 120 torres, a um custo estimado inicial de 850 milhões de reais http://www.geraldojose.com.br/index.php?sessao=noticia&cod_noticia=53730

Hoje, 07 de abril de 2017, quase três anos depois, o representante da CHESF, Luiz Carlos Santos, admitiu que “estamos realizando estudos para retomar as obras”, ou seja, não havia estudo, nem viabilidade em um projeto eivado de irregularidades desde o início. Sobre as linhas de transmissão, que irão servir para a distribuição da energia gerada pelos Parques Casa II e III, “as obras estão sendo retomadas, mas ainda faltam 17 quilômetros”. Sobre as irregularidades, “não tem conhecimento”.

Com 30 torres construídas, do total de 120; sem linhas de transmissão finalizadas, abandonado e sendo dilapidado diariamente, enferrujando, com equipamentos ainda armazenados em Recife e em outros portos, uma investigação policial em curso e centenas de DSC 0046reclamações trabalhistas, sem pagar o arrendamento das áreas ocupadas pelas torres, o Parque Eólico Casa Nova I é um monumento ao desperdício do dinheiro público.

A IMPSA Wind, a empresa argentina contratada pela CHESF, está em fase de “recuperação judicial”, as outras pequenas empreiteiras, as “gatas, sumiram". Ainda segundo Luiz Carlos Santos “hoje a CHESF não pode nem adentrar no canteiro de obras do Parque Casa Nova I”.

Em 2 de setembro de 2014 o superintendente de Projetos e Construção de Geração da CHESF, Ruy Barbosa Pinto Júnior, ofereceu um almoço aos jornalistas, no Quality Hotel, orla 2 de Petrolina, quando afirmou ser o Parque Eólico de Casa Nova “um projeto 100% CHESF”, com 3 parques com capacidade instalada de 180, 28 e 26 megawatts, respectivamente, totalizando 234 megawatts, garantindo que a primeira etapa seria inaugurada em janeiro de 2015. Além das promessas da CHESF, os sonhos de mais emprego, as promessas de energia mais barata e mais renda para os municípios, assim como 600 milhões de reais, também foram levados pelo vento.

 

Por Manoel Leão/Fotos: Luiz Washington

Audiência com CHESF e empresas do parque...

Publicado em Casa Nova

DSC 0020...eólico de Casa Nova desfaz ilusões sobre mais empregos.

 

Audiência pública proposta pelo Vereador Helber do Né lotou o plenário da Câmara nesta sexta-feira (07/04) para ouvir representantes da CHESF, da empresa Wobben e da  Barros  responsáveis pela implantação do Parque Eólico de Casa Nova.

 

A primeira surpresa veio do representante da CHESF, Luiz Carlos Santos: As obras em andamento não são do Parque Eólico Casa Nova I e sim Casa Nova II e III. Enquanto Casa Nova I previa a construção de 120 torres, os dois projetos em execução, somados, não chegam a 20 torres, com previsão de entrega em outubro e com todas as vagas de emprego já preenchidas e com serviços a terminarem em junho, ou seja, demissão de funcionários das empresas contratadas.

 

“Esta é uma obra muito pequena e com prazo de construção muito curto” – resumiu Santos, para uma plateia de vereadores, Deputado Zó, prefeito Wilker Torres, sindicalistas e centenas de pessoas no plenário e ao redor da Câmara de Vereadores.

 

Para o prefeito, que insistiu na necessidade de que a empresa que constrói as torres e pás, localizada em Petrolina e com as empresas que DSC 0069tocam a obra, para admitirem preferencialmente trabalhadores de Casa Nova, lembrando da dívida social que a CHESF tem com o município, “desde a transferência da cidade”, a realidade é que o munícipio de Casa Nova não se preparou com mão de obra especializada e nem ofereceu capacitação quando, há anos atrás, teve conhecimento da implantação dos parques eólicos.

 

“Que isso sirva de exemplo para outros municípios da região onde serão implantados novos parques eólicos” – advertiu o Deputado Zó, questionando a questão das terceirizações, da garantia dos direitos trabalhistas e a necessidade das prefeituras investirem na capacitação e formação DSC 0035profissional dos jovens: “Coloco meu mandato à disposição do prefeito para juntos buscarmos recursos e cursos, através da Secretária de Trabalho do Governo do Estado, dirigida por Olívia Santana do nosso partido. Não podemos perder de novo estas oportunidades”.

 

“A sensação que fica é de que essa reunião foi realizada com dois anos de atraso” – resumiu um dos presentes à reunião – “Mesmo os benefícios sociais que a CHESF alega trazer para as comunidades onde estão implantando os parques eólicos são voltados para o benefício da empresa”.

“Nesta Audiência Pública, discutimos com as autoridades do município, a comunidade casanovense e as empresas que estão construindo o Parque Eólico em Casa Nova, a questão de priorizar a contratação da mão de obra local,” disse para A Noticia do Vale, o vereador Paulo Sérgio, Presidente da Câmara Municipal. 

Além dos discursos de questionamentos, do vereador Helber do Né, do Vereador Alex de Santana, da cobrança incisiva à CHESF “pelaPublicoooo dívida social” feita pelo vereador William de Santana, houve ainda dúvida sobre o término efetivo da obra e a resolução das indenizações devidas aos antigos funcionários do Parque Eólico Casa Nova I, parado e sem conclusão. O deputado Adolfo Viana foi representado pelo seu primo, Anizio Viana; Deputado Elmar  Nascimento, por Dagmat Nogueira e Bebeto Galvão, por Wallison TUM.    

 

 

Por Manoel Leão/Fotos: Luiz Washington

Anizio

 DSC 0051