Juazeiro e Petrolina as cidades que mais empregam no Vale

Publicado em Juazeiro

juazeiro e petrolinaNo primeiro semestre deste ano foram criadas mais de 67,3 mil vagas de trabalho com carteira assinada, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho. Desde 2014, o Brasil não gozava de resultados positivos para o período. No acumulado do ano passado, o país eliminou mais de 1,3 milhão postos de trabalho – o segundo pior ano de toda a série história do Caged, que tem início em 2002. O pior resultado foi em 2015, quando 1,54 milhão de brasileiros perderam seus empregos.

Apesar do resultado modesto, a retomada do mercado de trabalho só foi possível devido ao destaque de algumas cidades. É o caso de Franca, município do interior de São Paulo, que criou seis mil vagas de janeiro a junho deste ano e garantiu o primeiro lugar no ranking de geração de emprego.

A liderança é impulsionada principalmente pela indústria calçadista, responsável por 36,1% da produção estadual de calçados – principal fonte da economia da cidade. Com 4.646 vagas abertas, o setor de indústria de transformação foi o que mais contratou no primeiro semestre. O comércio, por sua vez, registrou o pior resultado de Franca (SP) no período, com a demissão de 108 trabalhadores com carteira assinada.

A tendência positiva foi acompanhada pelas cidades de Bebedouro (SP), Santa Cruz do Sul (RS) e Venâncio Aires (RS) – todas com menos de 150 mil habitantes. Até junho, o número de vagas abertas nesses locais foi de 5.080, 5.078 e 4.660, respectivamente.

Efeito da crise

A crise econômica no país, que tem afetado as contas públicas desde meados de 2014, fez o Brasil atingir níveis recordes de desemprego.

No primeiro trimestre deste ano, a taxa de desemprego continuou em alta e fechou os três primeiros meses de 2017 com mais de 14,2 milhões de pessoas desempregadas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua. O resultado registrou um novo recorde histórico desde o início do levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2012.

Na contramão da crise, algumas cidades aceleraram nas contratações. No cálculo de 2014 até 2016, Goiana, em Pernambuco, abriu 4.615 vagas formais de trabalho. Outros 45 municípios brasileiros conseguiram oferecer, pelo menos, mil postos de trabalho no período.

Veja as cidades que mais criaram vagas no 1º semestre de 2017 e os setores que mais impulsionaram as contratações.

Ranking        Município     Empregos Jan/Jun 2017  Setor que mais gerou empregos

1º       Franca (SP)  6001  Indústria – 4.646

2º       Bebedouro (SP)     5080  Agropecuária – 5.205

3º       Santa Cruz do Sul (RS)     5078  Indústria – 5.227

4º       Venâncio Aires (RS)          4660  Indústria – 4.611

5º       Goiânia (GO)           4454  Serviços – 2.839

6º       Joinville (SC)            3364  Indústria – 1.553

7º       Pontal (SP)   3076  Indústria – 1.565

8º       Cristalina (GO)        3074  Agropecuária – 2.700

9º       Juazeiro (BA)          3051  Indústria – 1.928

10º     Nova Serrana (MG)          3009  Indústria – 2.492

11º     Goianésia (GO)       2695  Indústria – 1.670

12º     Matão (SP)  2675  Agropecuária – 2.096

13º     Patrocínio (MG)     2517  Agropecuária – 1.641

14º     Blumenau (SC)       2462  Indústria – 1.623

15º     Sp-Colômbia (SP)  2262  Agropecuária – 2.184

16º     Mogi-Guaçu (SP)   2207  Agropecuária – 2.022

17º     Vista Alegre do Alto (SP) 1867  Indústria – 1.930

18º     Rio Verde (GO)       1843  Indústria – 730

19º     Pirassununga (SP) 1827  Agropecuária – 1.342

20º     Birigui (SP)   1784  Indústria – 1.456

21º     Alfenas (MG)          1758  Agropecuária – 1.268

22º     São Jose do Rio Preto (SP)          1739  Serviços – 2.098

23º     Aparecida de Goiânia (GO)        1734  Serviços – 1.026

24º     Luis Eduardo Magalhães (BA)    1706  Serviços – 946

25º     Luis Antonio (SP)   1692  Agropecuária – 1.429

26º     Brusque (SC)           1685  Indústria – 1.034

27º     Campos dos Goytacazes (RJ)     1658  Agropecuária – 2.263

28º     Guaíra (SP)  1625  Indústria – 1.327

29º     Botucatu (SP)         1614  Agropecuária – 1.534

30º     Campestre do Maranhão (MA) 1603  Agropecuária – 1.315

31º     Três Pontas (MG)  1562  Agropecuária – 1.183

32º     Comendador Gomes (MG)         1525  Agropecuária – 1.524

33º     Rondonópolis (MT)           1521  Serviços – 774

34º     Primavera do Leste (MT) 1479  Serviços – 679

35º     Pato Branco (PR)   1474  Indústria – 990

36º     São Jose (SC)           1452  Serviços – 1.234

37º     Chapecó (SC)          1445  Indústria – 894

38º     Cascavel (PR)          1416  Indústria – 824

39º     Inhumas (GO)         1410  Indústria – 1.256

40º     Petrolina (PE)         1377  Agropecuária – 1.848

41º     Maringá (PR)          1374  Serviços – 824

42º     Itapaci (GO) 1353  Indústria – 1.234

43º     Patos de Minas (MG)       1311  Agropecuária – 521

44º     Timbó (SC)   1282  Administração Pública – 558

45º     Eunápolis (BA)        1270  Agropecuária – 1.425

46º     Limeira (SP) 1263  Indústria – 952

47º     Jaraguá do Sul (SC)           1260  Indústria – 852

48º     Barra Bonita (SP)   1258  Serviços – 687

49º     Sorriso (MT)            1242  Serviços – 331

50º     União (PI)     1235  Indústria – 1.003

Fonte: Revista Exame/Foto: Divulgação

O Rio São Francisco está secando

Publicado em Juazeiro

Rio São FranciscoMedida da ANA busca preservar o pouco de água que resta no Rio São Francisco.

A partir do dia 28 de julho, as novas regras da Agência Nacional de Águas (ANA) entram em vigor para preservar o Rio São Francisco. As indústrias e mineradoras que captam água acima de 13 horas por dia, conforme a outorga de direito de uso, deverão reduzir em 14% o volume mensal captado. Já para as que captam até 13 horas por dia, as captações ficarão suspensas às quartas-feiras.

De acordo com o presidente do Conselho Temático do Meio Ambiente da Federação as Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), Anísio Coêlho, o pleito foi atendido, mas de forma parcial.

“O setor tem consciência da importância de preservação. O caminho é racionalizar e não suspender”, analisou, observando que algumas empresas vão ficar sem água em período estratégico para a produção.

Gerente executivo da Associação dos Produtores Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport), Tássio Lustoza, a preocupação é com a qualidade da fruta com a chegada do Verão. “Haverá uma necessidade maior de água e não teremos”, lamentou. Porém, acredita, a suspensão pode postergar um estado de seca mais severa aos produtores locais.

Segundo os empresários, a interrupção da captação durante 24 horas para indústrias de fluxo contínuo tem uma complexidade operacional grande, acarretando a paralização das atividades entre dois e três dias, em média. Os prejuízos, além do volume de produção, impactam o recolhimento de tributos e sua consequente repercussão nos níveis de emprego e renda da região.

Entretanto, na outra ponta, o reservatório de Sobradinho agoniza com apenas 10,87 % da sua capacidade. É dele a responsabilidade de abastecimento energético do Nordeste. Além da geração de energia, o reservatório cumpre o papel de regularização dos recursos hídricos da região, que abrange munícipios como Juazeiro (BA) e Petrolina (PE). Operada pela Chesf, a hidrelétrica tem potência instalada de 1.050.300kW e seu reservatório tem capacidade de armazenamento de 34,1 bilhões de metros cúbicos – maior da bacia do São Francisco.

“Conforme uma simulação feita pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), se os agentes cumprirem com o Dia do Rio é possível chegarmos sem a necessidade de retirarmos água do volume morto no período úmido”, disse o diretor de operações da Companhia, João Henrique Franklin.

Fonte FolhaPE/Foto: Divulgação

Cartão do Servidor garante descontos em...

Publicado em Juazeiro

Cartão do Servidor3 01...instituições de ensino superior em Juazeiro.

Servidores municipais de Juazeiro, podem utilizar o Cartão Servidor para garantir descontos de até 60% nas Faculdades São Francisco (FASJ) e Montenegro. Para garantir os benefícios, é preciso apresentar o cartão do servidor ou o contracheque.

“Acreditamos na valorização do servidor como um instrumento fundamental para uma gestão democrática e ficamos satisfeitos a cada parceria que fechamos, pois é mais uma oportunidade para o servidor que deseja adquirir um bem ou se capacitar. Hoje já temos mais de 20 estabelecimentos parceiros em diversos segmentos”, revelou a secretária de Gestão de Pessoas, Angelita Carvalho.

De acordo com o diretor da Escola de Gestão Pública de Juazeiro (EGESP), Anderson Mota, o Cartão do Servidor contribui não apenas para valorização do servidor municipal, mas para o aquecimento do comércio.

“Criado em 2015, o programa estabelece uma política de descontos para os servidores públicos municipais, e em alguns casos também para os seus dependentes, na aquisição de produtos e serviços. Isso é bom para o servidor e também para o comércio local, pois movimenta a economia da cidade”, explica Anderson.

Tanuri volta a cobrar reforma de praça do Castelo Branco

Publicado em Juazeiro

 
Alex e Secretario nas quadras do Castelo Branco1Acompanhado do Secretário de Obras de Juazeiro, Anderson Alves, o vereador Alex Tanuri andou por todas as oito quadras do Bairro Castelo Branco na manhã da última terça-feira (18/07), mostrando a situação em que se encontram as praças das quadras e a praça principal do bairro.
 
"O Castelo Branco é um bairro com poucas demandas" - pondera Alex Tanuri - "Temos saneamento, calçamento, água, acesso, mas as áreas de lazer do bairro, as praças estão deterioradas. Isso é o mesmo desde a quadra A até a Quadra H".
 
Para o Vereador Alex Tanuri "nossa confiança no prefeito Paulo Bonfim, que tem atendido os pleitos das comunidades" é "muito forte", mas "agora chegou a hora do Castelo Branco": "Tenho consciência que nosso bairro é um dos privilegiados em relação a tantos outros de Juazeiro, que não possuiam a mínima estrutura, mas agora, chegou a hora do Castelo Branco", reforça.
 
Para o Secretário Anderson Alves, que conferiu a situação das praças e concordou com a necessidade das reformas, "não há dúvidas que a urbanização e a reforma das praças é necessária e vou colocar o Castelo Branco dentro das prioridades da Secretaria".
 
 
Ascom
 

Operação ‘Tapa Buraco’ chega ao Alto do Cruzeiro.

Publicado em Juazeiro

IMG 20170718 WA0018A operação ‘Tapa Buraco’ desenvolvida pela Prefeitura de Juazeiro através da Secretaria de Obras e Desenvolvimento Urbano (SEDUR) beneficia essa semana, mais um bairro com os serviços de recuperação de pavimentação em paralelepípedo granítico: o Alto do Cruzeiro.

Os serviços foram iniciados na Rua Santa Luzia, popularmente conhecida como Rua 5, e também uma das principais vias de acesso do bairro. “Nosso planejamento é corrigir os pontos mais críticos nas principais vias do bairro com pavimentação em paralelepípedo granítico”, explica o secretário de Obras e Desenvolvimento Urbano, Anderson Alves.

De acordo com Anderson Alves, esse já é o terceiro bairro atendido este ano pela operação Tapa Buraco. “Começamos pelo bairro Maria Gorete, depois seguimos para o bairro Itaberaba, onde a secretaria recuperou pontos críticos na Rua 11 e agora estamos no Alto do Cruzeiro”, acrescentou o secretário.

Para João Carlos, morador do bairro há mais de 20 anos, a intervenção chega em boa hora pois as ruas do Alto do Cruzeiro estavam precisando de manutenção. “O bairro foi beneficiado com pavimentação há mais de 30 anos, é uma obra muito antiga e realmente precisa de manutenção, a ação do tempo fez surgir vários buracos e os motoristas para desviar acabam colocando em risco a segurança dos pedestres e dos moradores”, declarou o morador.

A Operação Tapa Buraco tem como objetivo corrigir trechos de ruas e avenidas que foram danificados com a ação do tempo e das chuvas a fim de garantir a fluidez do trânsito, um deslocamento seguro e confortável aos moradores e condutores de veículos que transitam pelas vias, que é o principal acesso do bairro.

Por Gardennia Garibalde/SEDUR