Curtas e Boas 08/11

Publicado em Curtas & Boas

Solla exige retratação da Rede Globo e condena racismo de Wiliam Haack

O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) cobrou a Rede Globo para que faça uma retratação pública pela atitude do âncora de seu noticiário noturno, o jornalista William Waack, que fez comentários racistas enquanto se arrumava para entrar no ar em estúdio em Washington (EUA). O vídeo, um bastidor, vazou na internet nesta quarta-feira (8) e causou indignação da população brasileira. “Tá buzinando por quê, seu merda do cacete? Não vou nem falar, porque eu sei quem é… é preto. É coisa de preto!”, disse o apresentador.


“O que Waack fez em nosso país é crime e se a Globo é uma empresa que zela pela audiência do público negro, precisa não só pedir desculpas, mas punir o seu empregado. Não dá para uma cabeça que está no século XIX ser o editor-chefe de um jornal em 2017. Não dá”, disse Solla, em publicação no seu Facebook.


“O povo baiano, que tem uma das maiores participações da população negra em nosso país, não pode permitir que uma postura dessa natureza possa prosperar. Inclusive o Heraldo Pereira, que compactua com o apresentador em questão nas posturas de apoio ao golpe, precisa saber se ele também compactua com as atitudes racistas deste senhor”, cobrou o parlamentar.

Humberto critica proposta de corte do abono salarial

O governo de Michel Temer já prepara mais um ataque aos direitos do trabalhador. A equipe econômica do presidente estuda, agora,restringir o acesso ao abono salarial e autorizar o pagamento apenas para quem ganha um salário mínimo. O líder da Oposição, Humberto Costa, criticou a proposta e disse que ela vai prejudicar apenas os que mais precisam.

“É impressionante esta sanha de destruir todas as conquistas dos trabalhadores brasileiros alcançadas nos últimos 100 anos. É inaceitável que Temer gaste, aos olhos de todos, bilhões em compra de votos para salvar a sua pele em mais uma denúncia de corrupção e depois informe que vai cortar benefícios alegando que não tem dinheiro em caixa”, afirmou o senador.

Hoje, o abono salarial é dado a trabalhadores que receberam até dois salários mínimos durante no ano-base considerado para apuração. Só este ano, o programa beneficiou mais de 23 milhões de pessoas. Criado em 1990, ainda no governo Fernando Collor, o programa garante  um valor de, no máximo, um salário mínimo ao ano.

“Esse valor representa muito pouco para o governo mais significa muito para os trabalhadores. O governo está cortando na carne do trabalhador, para manter os privilégios de uma gangue que tomou de assalto o País”, disse o senador.

“ACM Neto está despreparado”, dispara Afonso Florence

O vice-líder da oposição no Congresso Nacional, deputado federal Afonso Florence (PT/BA), refutou o prefeito de Salvador, ACM Neto, que defendeu a prestação privada do serviço de saneamento (água e esgoto). “Neto tinha dito que a EMBASA não fez investimentos, nem em Salvador, nem na Bahia: ou ACM Neto não conhece a realidade, ou está mentindo”, afirmou Florence.

Segundo Afonso, ex-presidente do Conselho de Administração da EMBASA e ex-secretário de Desenvolvimento Urbano na gestão Wagner, a EMBASA investiu aproximadamente R$ 8 bilhões em obras de água e esgoto no estado, e em Salvador cerca de R$ 1,3 bilhão. Florence afirma, ainda, que o governo Wagner encontrou uma cobertura de esgoto na capital baiana de aproximadamente 55%, e a cobertura atual é de quase 90%, ou seja, comparativamente "os governos Wagner e Rui, somados, investiram mais que a soma dos governos carlistas”.

“ACM ignora que a EMBASA investiu aproximadamente R$ 130 Milhões no esgoto do município de Conquista, que saiu de aproximadamente 0% para 100% de tratamento de esgoto, R$ 300 mi em Feira de Santana e R$ 115 milhões em esgoto na cidade de Barreiras, que também sairá de aproximadamente zero para 100% de cobertura.”, pontua Afonso. 

O deputado  acrescenta que também neste quesito ACM tem atrapalhado muito colocando sucessivos obstáculos para renovação de contratos e realização de obras da EMBASA. “Mais uma vez ACM quer confundir a gestão com seus interesses eleitorais. Defender a prestação de serviço privado e dizer que não houve investimentos em Salvador é passar recibo de que está despreparado", atacou Florence