Mulher dá à luz sêxtuplos depois de tentar engravidar durante 17 anos

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

sextuplos 2Depois de 17 anos tentando engravidar, a nigeriana Ajibola Taiwo deu à luz bebês sêxtuplos no último 11 de maio. Os três meninos e as três meninas estão na UTI neonatal do hospital da Virginia Commonwealth University, nos Estados Unidos, onde ocorreu a cesariana, mas todos passam bem.
 
Ajibola estava em sua 30ª semana de gestação. A mãe já recebeu alta, mas visita seus filhos no hospital com frequência, já que a proximidade com os recém-nascidos é muito benéfica para a saúde deles.
 
Adeboye Taiwoe e sua mulher ouviram batidas de quatro corações em novembro, durante a primeira ultrassonografia, e foi pura emoção. Somente em janeiro eles descobriram que havia mais dois bebês a caminho. "Eu fiquei animado", disse o pai dos sêxtuplos. "Pela primeira vez, nós estávamos esperando", acrescentou.
 
"Nós estamos atravessando essa extraordinária jornada juntos com essa família", disse Ronald Ramus, diretor da maternidade do hospital sextuplos 1no estado americano da Virginia.
 
Ajibola recebeu alta na quinta-feira da semana passada, mas ela e o marido participam ativamente do cuidado dos bebês no hospital. O desenvolvimento de uma relação com os pais é um componente crucial para diminuir os riscos que prematuros enfrentam em suas primeiras semanas de vida.
 
Extra/Fotos: Divulgação/Virginia Commonwealth University

França elege Macron seu novo presidente

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

20170507174022436514aO presidente eleito afirmou que a base de seu mandato será a "regeneração da vida pública".

O centrista Emmanuel Macron, eleito neste domingo como o novo presidente da França, disse que vai trabalhar pela unidade do país e também se comprometeu a defender a França e a Europa em seu primeiro discurso após a vitória sobre a líder da extrema direita Marine Le Pen.

Sozinho no comitê geral de sua campanha, Macron, que segundo as projeções derrotou Le Pen com 65% dos votos contra 35% da adversária, afirmou que a base de seu mandato será a "regeneração da vida pública", além de prometer que trabalhará para "restabelecer os vínculos entre a Europa e os cidadãos franceses".

"Defenderei a França, seus interesses vitais e sua imagem. Assumo o compromisso diante de vocês. Defenderei a Europa. Nossa civilização, nossa maneira de sermos livres, está em jogo.

O presidente eleito garantiu também que a França estará na linha de frente na luta contra o terrorismo, tanto dentro do próprio país como em nível internacional, independentemente do tempo que durar o conflito.

Ex-ministro da economia do atual presidente da França, François Hollande, Macron disse que uma nova página da longa história do país se abriu neste domingo e espera que esse novo capítulo seja "o da esperança e da confiança renovada".

"Brigarei com todas as minhas forças contra a divisão que nos debilita e nos abate. Servirei em vosso nome, com humildade e entrega, a partir dessa noite e durante os próximos cinco anos", afirmou o presidente eleito no discurso.

Macron parabenizou Le Pen e disse estar disposto a ouvir "as divisões que levaram a alguns votos extremistas".

"Construiremos um futuro melhor", concluiu na breve declaração, na qual destacou que será "digno" da confiança depositada em seu nome pelos franceses.

 

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo./Foto: Divulgação

 

 

Cientistas criam um útero artificial...

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

.25173148523311 t1200x480..que poderá ser usado para desenvolver bebês prematuros.

Cientistas americanos desenvolveram um útero artificial que, no futuro, deve ser usado para desenvolver bebês prematuros. Até agora, o útero artificial só foi testado em cordeiros.

O que os pesquisadores do Hospital Infantil da Filadélfia fizeram foi tratar os bebês de ovelha como fetos, não como recém-nascidos. Em vez de deixar os cordeirinhos em incubadoras, eles desenvolveram um equipamento incrível: os animais prematuros foram colocados em um saco especial, com líquido amniótico desenvolvido em laboratório, que serve para alimentar o bebê.

Eles respiraram pelo cordão umbilical, como se estivessem no útero da mãe, com a ajuda de um oxigenador, que fez o papel da placenta. O curioso é que, como não existia nada parecido, os pesquisadores fizeram um equipamento “Frankenstein”, com peças compradas até em lojas de material de construção.A ideia deu certo. Os cordeiros prematuros conseguiram ficar mais quatro semanas nesse ambiente e se desenvolveram normalmente. O objetivo é no futuro ajudar bebês que nasçam em um período crítico, entre 23 e 25 semanas, cerca de seis meses. Só nos Estados Unidos, nascem por ano cerca de 30 mil bebês prematuros.

Os cientistas estão animados, dizem que as pesquisas clínicas podem começar daqui a dois anos, mas com bebês humanos, o equipamento teria um visual diferente. Seria uma incubadora com tampa, preenchida com o líquido amniótico.

Fonte Jornal Hoje/Foto: Divulgação

Descoberto Planeta maior que a Terra.

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Um exoplaneta, maior que o nosso planeta, chamado Super Terra, rochoso e temperado, foi descoberto na órbita de uma estrela anã vermelha foi localizada a 39 anos-luz do Sol, relata artigo na  Nature publicado nesta quart-feira (29) .

Detalhes 

https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/04/19/exoplaneta-do-tamanho-da-terra-e-descoberto-perto-de-estrela.htm

19abr2017 o exoplaneta superterra lhs 1140b orbita em torno da estrela lhs 1140 1492605331181 615x300

Facebook lança sistema para detectar notícias falsas

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

 1“Queremos que a informação compartilhada no Facebook seja verdadeira, séria”, afirma Adam Mosseri, vice-presidente do news feed, o alimentador de notícias do serviço, que todos os usuários veem assim que entram em sua página da rede social mais grande do mundo. O Facebook anunciou que poria a partir desta sexta-feira um filtro para detectar boatos inverídicos, notícias falsas e propaganda, de modo a alertar o usuário sobre a pouca veracidade do conteúdo visto e frear sua divulgação. No início estará disponível em 14 países, entre os quais o Brasil.
Ele considera que o impacto será grande: “Será visto por milhões de usuários”. O Facebook tem mais de 1,7 bilhão de perfis ativos no mundo. A Alemanha foi o primeiro país em que esse novo sistema foi integrado experimentalmente.
Em Menlo Park, sede da empresa, há uma obsessão para que façam exatamente o contrário do que se espera no Facebook. “Nossa natureza é compartilhar. Nesses casos pedimos que não se faça isso, que se breque a divulgação”, afirma Mosseri, por telefone.
O executivo admite que as notícias falsas são um flagelo para sua empresa, mas com atenuantes. Não acha que seja algo novo nem que toda responsabilidade seja sua. O Facebook se concentra em três eixos para desativar o conteúdo: eliminar os incentivos econômicos desse tipo de publicação, criar novos produtos que freiem esse conteúdo e ajudar a sociedade a tomar decisões com base numa informação.
Mosseri acha que o primeiro ponto é uma das chaves para que deixe de ser atraente encher a rede e os murais de informação falsa. “Percebemos que quase sempre o incentivo para frear essa página é mais econômico que ideológico. Quase sempre se repete um esquema: páginas com três ou quatro frases iniciais, que é o que se costuma ver no resumo do news feed, e o resto é publicidade. É publicidade 80% ou 90% do artigo. Quando alguém clica nele, o dono da página lucra”, explica.
Cancelar contas
Além de contar com uma equipe humana dedicada a comprovar a veracidade dos fatos, será dada especial atenção a quem compra anúncios para dar mais visibilidade a notícias falsas e vai ser acrescentada uma camada de inteligência artificial para detectar melhor a partir de padrões de comportamento. Acrescenta que não vão hesitar na hora de suspender e cancelar contas que tenham originado esse tipo de conteúdo.
Mosseri insiste em que vão fazer um esforço para identificar e reduzir esse conteúdo. “Não podemos ser juízes da verdade, mas sim trabalhar com organizações que nos ajudam a tomar melhores decisões e nos dão contexto na hora de avaliar.”
O envolvimento dos usuários na hora de denunciar a informação suspeita será uma das opções que o Facebook quer estimular, com um botão para marcar como duvidosos os posts. A rede social vai verificar, e, ainda que não a censure, os perfis que a virem a partir do momento em que se decida que não é fato certo verão um sinal de marcação e receberão uma advertência antes de compartilhá-la de novo.
“Vamos melhorar a forma como se decide aquilo que aparece no mural. Por exemplo, notamos que muitas vezes quando alguém lê um artigo não o compartilha. E vice-versa, muitas vezes o mais compartilhado não é lido. Queremos que o falso não seja divulgado sem controle, mesmo que não seja clicado”, diz, explicando as mudanças em seu algoritmo.
Por último, e na tentativa de oferecer informação de mais qualidade aos usuários, quer trabalhar de modo mais próximo com os meios de comunicação. Para isso foi criado o Facebook Journalism Project. “Temos o compromisso de fazer melhores ferramentas, serviços e produtos juntos. Para que os cidadãos tenham informação melhor. Estamos nos aproximando de especialistas, como a escola de jornalismo Walter Cronkite, do Arizona, em colaboração com o News Literacy Project, iniciativa sem fins lucrativos que ajuda a formar os perfis a averiguar melhor no Facebook”, diz. Além disso, aderiu à News Integrity Initiative, iniciativa com 25 membros que combina tanto empresas de comunicação quanto instituições ou fundações como a Mozilla. O fundo inicial tem US$ 14 milhões (cerca de R$ 45 milhões) para aprofundar a pesquisa sobre notícias, formatos e sua divulgação.
 
 Rosa Jiménez Cano/Foto fornecido por El País