De cada 5 NY, um depende de ajuda

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

De cada cinco nova-iorquinos, um depende de ajuda para comer

Morador de rua come uma sopa após distribuição de voluntários em um centro comunitário de Manhattan, em Nova York 

imagemmenorQuase um em cada cinco nova-iorquinos, cerca de 1,4 milhão de pessoas, depende diariamente das ajudas das autoridades e de ONGs para comer, em uma cidade onde se concentram algumas das maiores fortunas do mundo.

Nos últimos cinco anos se somaram à lista outras 200 mil pessoas que vão aos cerca de mil refeitórios populares e bancos de alimentos pela cidade, segundo dados publicados nesta segunda-feira pelo jornal "Daily News".

Desse 1,4 milhão de pessoas, 400 mil são menores de idade, 160 mil, maiores de 60 anos e, 95 mil, veteranos de guerra.

Embora a demanda nos bancos de alimentos e nos refeitórios populares tenha aumentado 10% no ano passado, sofreram um corte de 56% de fundos privados e públicos, o que lhes impede de chegar aos mais necessitados de forma adequada.

Ao todo, "85% dos refeitórios populares reportaram um aumento drástico de pessoas em busca de ajuda, e quase metade ficou sem COMIDA em novembro passado", advertiu a presidente do Banco de Alimentos de Nova York, Margarette Purvis.

A radiografia da fome e da pobreza na Big Apple exibe dados preocupantes, já que 60% dos beneficiados do auxílio são mulheres e quase a metade dos menores de idade vive em famílias sem dinheiro suficiente para comprar alimentos.

Além disso, uma em cada cinco pessoas que vão a esses refeitórios populares trabalham e ganham em média US$ 1.500 ao mês e, delas, 54% têm algum emprego em período integral.

Nos últimos meses várias organizações e o próprio prefeito, Bill de Blasio, pediram o aumento do salário mínimo, que não permite os trabalhadores que o recebem saírem da pobreza em uma cidade cara como Nova York.

O Banco de Alimentos de Nova York, uma das principais organizações que lutam contra a fome na cidade, oferece diariamente cerca de 400 mil porções de COMIDA gratuita que são distribuídas nos cinco condados da cidade.

A organização recebe cerca de 8.600 toneladas de COMIDAenlatada do governo federal, assim como US$ 3 milhões em ajudas do governo estadual e doações de empresas privadas.

Enquanto o banco concentra seus esforços na distribuição de COMIDA enlatada ou empacotada, outros grupos, como a ONG City Harvest, distribuem alimentos frescos graças à colaboração de restaurantes e supermercados.

Por outro lado, dos mais de 47 milhões de pessoas que se beneficiam nos Estados Unidos do programa federal de cupons de alimentos ou da Assistência de Nutrição Suplementar (Snap), 1,8 milhão moram em Nova York.

 

Da EFE/(Chris McGrath/Getty Images)

Bebê enterrado vivo recebe alta

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Bebê enterrado vivo recebe alta de hospital após ficar oito dias debaixo da terra.

3Um recém-nascido que foi enterrado vivo e permaneceu assim por oito dias, está prestes a receber alta do hospital em que foi internado.
O bebê nasceu com lábio leporino, um desenvolvimento incompleto do lábio ou do palato (céu da boca), em 20 de abril, em Tiandong, na China.
Persuadido por parentes, os pais entregaram o filho a um homem a fim de se livrarem da criança.
O homem, então, abandonou o bebê em uma região montanhosa do país e retornou dois dias depois. Acreditando que o bebê estava morto, o homem o enterrou junto de uma caixa de papelão e alguns cobertores.
Recém-nascido que foi encontrado 8 dias depois de ser enterrado vivo em região montanhosa na China pode receber alta de hospital em que recebeu tratamento.
Oito dias depois uma mulher que caminhava pelo local ouviu a criança chorando e foi em busca de ajuda.
Quando a polícia chegou ao local, encontrou o bebê enterrado entre alguns túmulos e a levou para um hospital.
Ela sobreviveu por ter bebido água da chuva, mas estava em estado crítico de saúde e foi internada.
Cinco pessoas, incluindo a avó do menino, foram detidas sob a acusação de tentativa de homicídio, mas seus pais estão em liberdade sob fiança por não haver provas contra eles.
 
Foto: Divulgação

Mais um brasileiro é executado na Indonésia

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Fuzilamento de Rodrigo Gularte, 42 anos, ocorreu na tarde desta terça-feira em uma prisão de Nusakambangan, no centro de Java

17217699O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, condenado à morte por tráfico de drogas na Indonésia, foi executado na tarde desta terça-feira. A informação foi confirmada pelo encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Jacarta, Leonaro Carvalho Monteiro.

Além do brasileiro, foram executados, pelo mesmo motivo, dois australianos, quatro nigerianos e um indonésio. Única mulher, uma filipina foi perdoada, pois a pessoa que a teria recrutado para fazer o transporte das drogas se apresentou à Justiça a tempo.

Cerca de 300 pessoas, de jornalistas indonésios e estrangeiros a curiosos locais, estavam diante do porto de Wijayapura, que dá acesso à ilha de Nusakambangan. Longe do local de execuções, era o mais próximo podiam chegar.

A prima de Gularte Angelita Muxfeldt e Monteiro estavam na ilha no momento da execução. Eles haviam chegado ao local pouco mais de seis horas antes. Os dois, assim como outros diplomatas e familiares, foram mantidos a cerca de um quilômetro do local de fuzilamento, em uma área de onde é possível, no máximo, ouvir o barulho dos disparos, sem ver a cena.

Monteiro, assim que o fuzilamento acabou, foi o responsável por reconhecer o corpo de Gularte. O brasileiro pediu à família para ser enterrado no Brasil. Até esta segunda-feira, a ideia era cremá-lo na Indonésia e levar as cinzas para Curitiba (PR), onde o brasileiro nasceu. Dada a burocracia, o envio do corpo pode levar algumas semanas.

A União Europeia, a Austrália e a França pediram à Indonésia, nesta terça-feira, que não prossiga com a execução de oito estrangeiros condenados à morte, algumas horas antes de encararem o pelotão de fuzilamento. O Brasil criticou a Indonésia por executar estrangeiros.

Os condenados receberam a notificação da execução no sábado, com um pré-aviso de pelo menos 72 horas. Os fuzilamentos acontecem habitualmente pouco depois da meia-noite local. A imprensa australiana publicou fotografias das cruzes destinadas aos caixões dos condenados, com data de 29.04.2015.

Segundo brasileiro executado

Gularte foi o segundo brasileiro na história a ter recebido a pena capital em tempos de paz. Há pouco mais de três meses, Marco Archer Cardoso Moreira, 53 anos, foi executado também por ter sido condenado em 2004 por tráfico de drogas.

Em 31 de julho de 2004, Gularte e mais dois amigos foram flagrados com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe no aeroporto de Jacarta. O brasileiro liberou os dois colegas dizendo que a droga era toda dele.

Menos de um mês antes, Marco Archer havia sido condenado à morte por tentar entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína. Ele havia sido flagrado com a droga em 2 de agosto de 2003, escapou no aeroporto e foi recapturado duas semanas depois.

Protocolo de execução

Como manda o protocolo na Indonésia, conforme a Folha de S. Paulo, Gularte ficou preso a uma estaca com as mãos amarradas para trás. Ainda não se sabe se escolheu ficar em pé, ajoelhado ou sentado ou, ainda, se pediu para não ser vendado. Ele vestia uma camiseta branca com um X preto na altura do peito, para facilitar a mira dos atiradores — são 12 em cada pelotão de fuzilamento.

O padre Charlie Burrows esteve com Gularte minutos antes da execução, a pedido da família e do próprio condenado. Depois, os atiradores recebem de um oficial do pelotão uma ordem — por meio de um sinal de apito — para preparar seus fuzis.

O comandante do pelotão então levanta uma espada, o que significa a determinação para que o pelotão mire no peito do condenado. Quando ele abaixa a espada, os atiradores disparam.

Apenas três das armas são carregadas com balas de verdade, e o restante são projéteis de festim, de modo que ninguém saiba quem deu o tiro fatal. É exigido um pelotão de 12 atiradores para cada condenado, o que representa 108 pessoas apenas a mirar nos prisioneiros.

No campo aberto onde as execuções acontecem há também médicos, religiosos e policiais. Ao médico cabe constatar a morte. Uma vez que isso acontece, o corpo é limpo e nele é colocada uma roupa, provavelmente um terno, e então posto em um caixão branco dentro de uma ambulância.

Dor profunda

Familiares dos dois condenados australianos, Myuran Sukumaran, de 34 anos, e Andrew Chan, 31, não esconderam a emoção ao chegar à cidade portuária de Cilacap, que faz a ligação com a ilha daquela que é conhecida como a "prisão da morte".

Chan se casou na segunda-feira com a namorada indonésia, durante uma cerimônia com parentes e amigos no complexo penitenciário, seu último desejo.

A família da condenada filipina Mary Jane Veloso também está em Cilacap para despedir-se da condenada, de 30 anos, que tem dois filhos e afirma que viajou para a Indonésia para trabalhar como empregada doméstica, mas que foi enganada por uma rede de narcotraficantes.

 

http://zh.clicrbs.com.br Foto: Ver Descrição/Divulgação

Em missa de Páscoa, papa pede fim de tragédias e perseguições

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Em missa de Páscoa, papa pede fim de tragédias e perseguições na África e Oriente Médio

xIMAGEM NOTICIA 5.jpg.pagespeed.ic.uhOYOzzHhCLotada de fiéis apesar da chuva insistente que caía sobre o Vaticano, a praça São Pedro recebeu o papa Francisco neste domingo (5), dia de Páscoa. O pontífice deu a benção "Urbi et Orbi" ("À cidade de Roma e ao mundo"), durante a qual ele aborda os principais temas da atualidade. De acordo com o G1, desta vez, o Papa comentou as negociações sobre o programa nuclear do Irã, país que estabeleceu com as potências mundiais as bases para um acordo definitivo a ser assinado até o dia 30 de junho. “Com esperança, confiamos ao Senhor, que é tão misericordioso, o compromisso assumido nos últimos dias em Lausanne [Suíça], de modo que seja um passo definitivo rumo a um mundo mais seguro e fraterno", afirmou.

O papa Francisco pediu também pelo fim das tragédias e perseguições em nome da religião na África e no Oriente Médio. "Que uma oração incessante suba de todas as pessoas de boa vontade por aqueles que perderam suas vidas - penso especialmente nos jovens que foram mortos na quinta-feira na Universidade de Garissa, no Quênia - para todos aqueles que foram sequestrados", declarou o chefe da Igreja católica sobre a morte de cerca de 150 estudantes, em sua maioria cristã, por um comando islamita shebab.

O pontífice apelou à comunidade internacional "para não ficar passiva à imensa tragédia humanitária na Síria e no Iraque", e dos "muitos refugiados". "Que termine o choque das armas e que seja restaurada a boa convivência entre os diferentes grupos que compõem este país amado", insistiu. Sem mencionar a perseguição de grupos jihadistas contra os cristãos, o Papa pediu a Cristo "para aliviar o sofrimento de tantos dos nossos irmãos perseguidos por causa do seu nome".

 

BN/Foto: Afp Photo/Filippo Monteforte

Polícia revista casa de copiloto de avião que caiu nos Alpes franceses

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

xIMAGEM NOTICIA 5.jpg.pagespeed.ic.PY5OpKh7g7O promotor da cidade de Düsseldorf, Christoph Kumpa, afirmou que a polícia alemã começou a fazer buscas na casa do copiloto Andreas Lubitz, 28 anos, que teria sido o responsável por derrubar o avião da empresa Germanwings na última terça-feira (24). A residência de Lubitz fica em Montabaur, cidade onde ele nasceu.

Ainda segundo o promotor, outros locais relacionados com o acidente também devem ser revistados pela polícia.

O copiloto alemão foi treinado pela Lufthansa, trabalhava na profissão desde 2013 e tinha 630 horas de voo. Na manhã desta quinta-feira (26) o promotor de Marselha, na França, Brice Robin, levantou a hipótese de que Lubitz estava consciente, deixou o piloto do avião trancado do lado de fora do cockpit e acionou o mecanismo de descida da aeronave propositalmente, sendo o responsável pela tragédia.

"Não estou usando a palavra suicídio porque eu não sei, mas ele deliberadamente provocou a queda de altitude", afirma Robin.

 

(BN)