Mais um brasileiro é executado na Indonésia

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Fuzilamento de Rodrigo Gularte, 42 anos, ocorreu na tarde desta terça-feira em uma prisão de Nusakambangan, no centro de Java

17217699O brasileiro Rodrigo Gularte, 42 anos, condenado à morte por tráfico de drogas na Indonésia, foi executado na tarde desta terça-feira. A informação foi confirmada pelo encarregado de Negócios da Embaixada do Brasil em Jacarta, Leonaro Carvalho Monteiro.

Além do brasileiro, foram executados, pelo mesmo motivo, dois australianos, quatro nigerianos e um indonésio. Única mulher, uma filipina foi perdoada, pois a pessoa que a teria recrutado para fazer o transporte das drogas se apresentou à Justiça a tempo.

Cerca de 300 pessoas, de jornalistas indonésios e estrangeiros a curiosos locais, estavam diante do porto de Wijayapura, que dá acesso à ilha de Nusakambangan. Longe do local de execuções, era o mais próximo podiam chegar.

A prima de Gularte Angelita Muxfeldt e Monteiro estavam na ilha no momento da execução. Eles haviam chegado ao local pouco mais de seis horas antes. Os dois, assim como outros diplomatas e familiares, foram mantidos a cerca de um quilômetro do local de fuzilamento, em uma área de onde é possível, no máximo, ouvir o barulho dos disparos, sem ver a cena.

Monteiro, assim que o fuzilamento acabou, foi o responsável por reconhecer o corpo de Gularte. O brasileiro pediu à família para ser enterrado no Brasil. Até esta segunda-feira, a ideia era cremá-lo na Indonésia e levar as cinzas para Curitiba (PR), onde o brasileiro nasceu. Dada a burocracia, o envio do corpo pode levar algumas semanas.

A União Europeia, a Austrália e a França pediram à Indonésia, nesta terça-feira, que não prossiga com a execução de oito estrangeiros condenados à morte, algumas horas antes de encararem o pelotão de fuzilamento. O Brasil criticou a Indonésia por executar estrangeiros.

Os condenados receberam a notificação da execução no sábado, com um pré-aviso de pelo menos 72 horas. Os fuzilamentos acontecem habitualmente pouco depois da meia-noite local. A imprensa australiana publicou fotografias das cruzes destinadas aos caixões dos condenados, com data de 29.04.2015.

Segundo brasileiro executado

Gularte foi o segundo brasileiro na história a ter recebido a pena capital em tempos de paz. Há pouco mais de três meses, Marco Archer Cardoso Moreira, 53 anos, foi executado também por ter sido condenado em 2004 por tráfico de drogas.

Em 31 de julho de 2004, Gularte e mais dois amigos foram flagrados com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe no aeroporto de Jacarta. O brasileiro liberou os dois colegas dizendo que a droga era toda dele.

Menos de um mês antes, Marco Archer havia sido condenado à morte por tentar entrar no aeroporto de Jacarta com 13,4 quilos de cocaína. Ele havia sido flagrado com a droga em 2 de agosto de 2003, escapou no aeroporto e foi recapturado duas semanas depois.

Protocolo de execução

Como manda o protocolo na Indonésia, conforme a Folha de S. Paulo, Gularte ficou preso a uma estaca com as mãos amarradas para trás. Ainda não se sabe se escolheu ficar em pé, ajoelhado ou sentado ou, ainda, se pediu para não ser vendado. Ele vestia uma camiseta branca com um X preto na altura do peito, para facilitar a mira dos atiradores — são 12 em cada pelotão de fuzilamento.

O padre Charlie Burrows esteve com Gularte minutos antes da execução, a pedido da família e do próprio condenado. Depois, os atiradores recebem de um oficial do pelotão uma ordem — por meio de um sinal de apito — para preparar seus fuzis.

O comandante do pelotão então levanta uma espada, o que significa a determinação para que o pelotão mire no peito do condenado. Quando ele abaixa a espada, os atiradores disparam.

Apenas três das armas são carregadas com balas de verdade, e o restante são projéteis de festim, de modo que ninguém saiba quem deu o tiro fatal. É exigido um pelotão de 12 atiradores para cada condenado, o que representa 108 pessoas apenas a mirar nos prisioneiros.

No campo aberto onde as execuções acontecem há também médicos, religiosos e policiais. Ao médico cabe constatar a morte. Uma vez que isso acontece, o corpo é limpo e nele é colocada uma roupa, provavelmente um terno, e então posto em um caixão branco dentro de uma ambulância.

Dor profunda

Familiares dos dois condenados australianos, Myuran Sukumaran, de 34 anos, e Andrew Chan, 31, não esconderam a emoção ao chegar à cidade portuária de Cilacap, que faz a ligação com a ilha daquela que é conhecida como a "prisão da morte".

Chan se casou na segunda-feira com a namorada indonésia, durante uma cerimônia com parentes e amigos no complexo penitenciário, seu último desejo.

A família da condenada filipina Mary Jane Veloso também está em Cilacap para despedir-se da condenada, de 30 anos, que tem dois filhos e afirma que viajou para a Indonésia para trabalhar como empregada doméstica, mas que foi enganada por uma rede de narcotraficantes.

 

http://zh.clicrbs.com.br Foto: Ver Descrição/Divulgação

Em missa de Páscoa, papa pede fim de tragédias e perseguições

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

Em missa de Páscoa, papa pede fim de tragédias e perseguições na África e Oriente Médio

xIMAGEM NOTICIA 5.jpg.pagespeed.ic.uhOYOzzHhCLotada de fiéis apesar da chuva insistente que caía sobre o Vaticano, a praça São Pedro recebeu o papa Francisco neste domingo (5), dia de Páscoa. O pontífice deu a benção "Urbi et Orbi" ("À cidade de Roma e ao mundo"), durante a qual ele aborda os principais temas da atualidade. De acordo com o G1, desta vez, o Papa comentou as negociações sobre o programa nuclear do Irã, país que estabeleceu com as potências mundiais as bases para um acordo definitivo a ser assinado até o dia 30 de junho. “Com esperança, confiamos ao Senhor, que é tão misericordioso, o compromisso assumido nos últimos dias em Lausanne [Suíça], de modo que seja um passo definitivo rumo a um mundo mais seguro e fraterno", afirmou.

O papa Francisco pediu também pelo fim das tragédias e perseguições em nome da religião na África e no Oriente Médio. "Que uma oração incessante suba de todas as pessoas de boa vontade por aqueles que perderam suas vidas - penso especialmente nos jovens que foram mortos na quinta-feira na Universidade de Garissa, no Quênia - para todos aqueles que foram sequestrados", declarou o chefe da Igreja católica sobre a morte de cerca de 150 estudantes, em sua maioria cristã, por um comando islamita shebab.

O pontífice apelou à comunidade internacional "para não ficar passiva à imensa tragédia humanitária na Síria e no Iraque", e dos "muitos refugiados". "Que termine o choque das armas e que seja restaurada a boa convivência entre os diferentes grupos que compõem este país amado", insistiu. Sem mencionar a perseguição de grupos jihadistas contra os cristãos, o Papa pediu a Cristo "para aliviar o sofrimento de tantos dos nossos irmãos perseguidos por causa do seu nome".

 

BN/Foto: Afp Photo/Filippo Monteforte

Polícia revista casa de copiloto de avião que caiu nos Alpes franceses

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

xIMAGEM NOTICIA 5.jpg.pagespeed.ic.PY5OpKh7g7O promotor da cidade de Düsseldorf, Christoph Kumpa, afirmou que a polícia alemã começou a fazer buscas na casa do copiloto Andreas Lubitz, 28 anos, que teria sido o responsável por derrubar o avião da empresa Germanwings na última terça-feira (24). A residência de Lubitz fica em Montabaur, cidade onde ele nasceu.

Ainda segundo o promotor, outros locais relacionados com o acidente também devem ser revistados pela polícia.

O copiloto alemão foi treinado pela Lufthansa, trabalhava na profissão desde 2013 e tinha 630 horas de voo. Na manhã desta quinta-feira (26) o promotor de Marselha, na França, Brice Robin, levantou a hipótese de que Lubitz estava consciente, deixou o piloto do avião trancado do lado de fora do cockpit e acionou o mecanismo de descida da aeronave propositalmente, sendo o responsável pela tragédia.

"Não estou usando a palavra suicídio porque eu não sei, mas ele deliberadamente provocou a queda de altitude", afirma Robin.

 

(BN)

Executivo baiano corre 100km em Maratona na Patagônia

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

patagonia13 sacha 3Ultramaratonista, conhecido como Alemão, Roberto Lessa está em um trabalho de preparação intensa para a corrida de montanha Patagonia Run

 O ultramaratonista Roberto Lessa, conhecido nas competições como Alemão, participará da Patagonia Run, no dia 11 de abril. O evento esportivo será realizado em San Martin de Los Andes, um vilarejo da Patagônia Argentina.

O baiano, que é engenheiro agrônomo e executivo, está, no momento, em um intenso trabalho de preparação física para a corrida de montanha. Ele vai correr em percurso de 100km.

A maratona, que está em sua sexta edição, será no estilo “non stop”, sem descanso, com largada à meia noite da sexta-feira, 10 de abril, na praça de San Martin, com presença da população da cidade. Os maratonistas escolhem uma entre as seis distâncias previstas na competição: 10 km, 21, 42, 70, 100 e 120 km. Lessa participou no ano anterior, na prova de 42 km, e sabe que a competição não será fácil.

“É um trajeto que começa a ser percorrido no escuro, atravessando florestas, subindo montanhas, enfrentando situações térmicas adversas”, afirma. Com 48 anos de idade, Alemão já participou de mais de 40 provas, em países como Chile, Argentina, Estados Unidos, Peru, Holanda, França, Alemanha, Espanha e inclusive correu em maratona no Deserto de Atacama.

Alemão disputa em competições acima de 42 km, desde 2010. Como parte da preparação física, Roberto Lessa está correndo de 50 a 60 km por dia. “É um treinamento específico em que o competidor começa a correr para e volta a correr, para treinar a resistência. Ele é acompanhado por médico ortopedista e por cardiologista especializado em esportes. Conta com acompanhamento sistemático também por um preparador físico e por nutricionista. “Tenho uma dieta balanceada, entre carboidratos e proteínas; não como glúten; não consumo álcool, nem gorduras em excesso”, detalha o ultramaratonista.

Roberto Lessa diz que a corrida é um esporte que ele consegue conciliar com a carreira de executivo porque, segundo ele, basta ter um tênis, força de vontade e disciplina. “Correr me gera muita energia. É uma terapia excepcional, uma maneira de você estar, durante cinco ou sete horas, com você mesmo. Já fui correr com algum problema e finalizei a corrida com a questão resolvida”, comenta.

Assessoria de Imprensa: Cibermídia Comunicação Marketing/Foto: Divulgação
 

Salvador entre as seis cidades da Olimpíada/2016

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Internacional

ArenaFonteNovablog1A Fifa confirmou nesta segunda-feira, 16, Salvador entre as seis cidades que receberão jogos de futebol masculino e feminino na Olimpíada do Rio de Janeiro em 2016. A Itaipava Arena Fonte Nova deve ser o palco dos jogos. Além da Fonte Nova, também vão receber jogos os estádios do Maracnã e Engenhão, no Rio de Janeiro, Arena Amazônia, em Manaus; o Itaquerão, estádio do Corinthians em São Paulo;  o Mineirão, em Belo Horizonte; e o Mané Garrincha, em Brasília.

As seis cidades selecionadas também sediaram jogos da Copa do Mundo de 2014, assim como todos os estádios, exceto o Engenhão. "Os torneios de futebol olímpico serão uma oportunidade fantástica de reviver o excelente clima visto durante a Copa do Mundo de 2014", disse o presidente do Comitê Organizador para os Torneios de Futebol Olímpico, Marco Polo del Nero, em nota da Fifa.

"As cidades fizeram um trabalho ótimo e agora podem usar os estádios da Copa do Mundo e a infraestrutura já montada para unir o país para um grande evento mais uma vez. Estou confiante de que os times participantes terão uma experiência olímpica inesquecível", acrescentou Del Nero. Os 58 jogos de futebol da Olimpíada acontecerão no período de 3 a 20 de agosto de 2016. A Fifa recebeu diversas opções de tabela para o torneio, que ainda serão analisadas, de acordo com a federação internacional. 

As informações são da Reuters