Ministério Público oferece denúncia contra Marcos Harter

Postado por Luiz Washington . Publicado em Nacional

marcos111 840x560O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ofereceu, na última segunda-feira (24), uma denúncia contra o participante do Big Brother Brasil (BBB), da TV Globo, Marcos de Oliveira Harter, de 37 anos, por dois delitos de lesão corporal. Caberá à Justiça agora decidir se aceita a denúncia e abre processo contra o médico.

Marcos Harter é acusado de agredir a participante e vencedora do reality Emilly de Araujo Correa, de 20 anos, com quem durante o programa teve um relacionamento amoroso. De acordo com a denúncia, na festa Retrô, que aconteceu no programa, Marcos, por ciúmes, agrediu Emilly com fortes beliscões, que causaram um hematoma no braço esquerdo da vítima.Ainda de acordo com o MP, Marcos ofendeu novamente a integridade corporal de Emilly, com um apertão no antebraço direito, que acarretou um novo hematoma. As lesões constam do laudo de corpo de delito.

As agressões levaram à eliminação de Marcos do BBB no último dia 10, por ter infringido as regras do programa, que proíbem agressões físicas entre os participantes. Na investigação aberta pela Polícia Civil, o médico prestou depoimento e alegou que nunca teve a intenção de machucar Emilly.

Fonte G1/Foto: Divulgação

Políticos debocham do Brasil e tentam destruir a Lava-Jato

Postado por Luiz Washington . Publicado em Nacional

braswDesgastados pelas delações da Odebrecht, malvistos pela sociedade e sob o risco de não se reelegerem —eainda irem para trás das grades —, senadores de diversos partidos tramam a aprovação, amanhã, de uma lei que inviabiliza o combate à corrupção no país. Pior: pode significar o fim da Lava-Jato. Relatado por Roberto Requião (PMDB-PR), o projeto de autoria de Renan Calheiros (PMDB-AL) vem travestido de um motivo nobre: endurecer a legislação contraoabuso de autoridade. Em tese, uma iniciativa digna de aplauso. Mas, na verdade, uma artimanha que ameaça criminalizar o trabalho da polícia, de procuradores e de juízes que ousem investigar crimes cometidos por poderosos, sobretudo por políticos. Na prática, a exemplo do então monarca francês Luís XIV — quando proclamou “L'Etat ces't moi” (“o Estado sou eu”) —, eles escarnecem do Brasil, colocam-se acima da Justiça e desafiam: “A lei somos nós”

 

C.braziliense/Foto: Divulgação

Dirigente regional do MST é assassinado no interior de Minas

Postado por Luiz Washington . Publicado em Nacional

MSTAté a noite desta segunda-feira (24/4), nenhum suspeito havia sido preso. A Polícia Civil de Periquito informou que já investiga o crime.
 
Um militante do Movimento dos Sem-Terra (MST) foi assassinado com dez tiros, na noite de domingo (23/4), na zona rural de Periquito, município do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. O agricultor Silvino Nunes Gouveia, de 51 anos, estava em sua casa, no Assentamento Liberdade, quando foi chamado e saiu à porta com uma lanterna, recebendo os disparos. Os atiradores fugiram em um carro. Gouveia era dirigente regional do MST. 
Até a noite desta segunda-feira (24/4), nenhum suspeito havia sido preso. A Polícia Civil de Periquito informou que já investiga o crime.
O corpo de Gouveia foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Governador Valadares, município da região. A polícia apreendeu uma garrucha e munições na casa da vítima. Conforme familiares, Gouveia tinha recebido ameaças por sua atuação na luta pela terra. 

Protesto

De manhã, assentados atearam fogo em pneus e interditaram os dois sentidos da BR-381, que liga Periquito a Governador Valadares, para protestar contra a morte do agricultor. A via foi liberada após negociação com a Polícia Rodoviária Federal.
O assassinato aconteceu três dias após a chacina de nove trabalhadores rurais ligados ao MST, na Gleba Taquaruçu do Norte, em Colniza (MT). Em nota, o movimento disse que os conflitos pela terra se intensificaram no Vale do Rio Doce por falta de medidas que agilizem o assentamento de 1.200 famílias acampadas na região e cobrou a apuração do assassinato e a prisão dos envolvidos. 
De acordo com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), órgão ligado à Igreja Católica, em 2016, os conflitos agrários causaram a morte de 61 pessoas no País.
 
braziliense

"Com tortura psicológica, ele entregaria até a mãe", diz Lula

Postado por Luiz Washington . Publicado em Nacional

20170424194602274473oDeclaração do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva foi dada durante um seminário organizado pelo PT para debater estratégias de desenvolvimento do país.
 
O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, em um discurso de quase 40 minutos, afirmou que está disposto a prestar depoimento ao juiz Sérgio Moro, no dia em que ele definir a melhor data. "Não fui eu que marquei o depoimento ou desmarquei, mas eu vou, no dia em que ele quiser, porque será a primeira vez que eu de viva voz. Terei o direito de me defender. Faz três anos que eu estou só ouvindo." As declarações de Lula foram dadas durante um seminário organizado pelo PT para debater estratégias de desenvolvimento para o país, no Centro Internacional de Convenções do Brasil.

Lula afirmou também que é o momento dos seus acusadores apresentarem uma prova contra ele. "Quero ver alguém mostrar alguma conta minha no exterior ou algum real depositado indevidamente no Brasil. Não estou falando de R$ 80 reais, estou falando de apenas R$ 1". No encontro, o ex-presidente ainda defendeu a regulamentação da imprensa e disse que não sentará à mesa, caso seja eleito, com representantes da grande mídia e que "não vai mostrar as costas para provar as chibatadas que tem levado".

Lula também isentou de responsabilidade o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro que, na semana passada, afirmou, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, que ele e Lula eram proprietários do tríplex no Guarujá, e que pediu que fossem destruídas as provas que pudessem incriminá-lo na operação Lava-Jato. "Na situação de tortura psicológica que ele está sofrendo, ele entregaria até a mãe. O que eu acho estranho é ver reportagens mostrando delatores vivendo em mansões, em casas com piscina e com vistas para o mar. Eu quero brigar para provar a eles que eles estão lidando com um cidadão diferente e que ninguém tem mais moral e mais honestidade para discutir comigo", afirmou Lula, defendendo que o partido reformule o discurso para a disputa da eleição presidencial de 2018. 
 
.........................................................................
 
MAIS LULA
 
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta segunda-feira, 24, que há uma "mistureba" entre a Justiça e o Ministério Público, coordenada pela imprensa, que diz "quem é bandido e quem vai ser condenado". "Eu sei a quantidade de mentiras contadas a meu respeito 24 horas", afirmou, em referência às reportagens veiculadas pela imprensa.
O petista avaliou que o partido é "massacrado" constantemente, mas, apesar disso, consegue sobreviver às críticas nas pesquisas de intenção de voto para as próximas eleições presidenciais. "Já jogaram umas 80 bombas de Hiroshima em cima do PT", comentou Lula durante seminário promovido pelo partido, em Brasília.
Ele afirmou ainda que é tratado "pior do que os outros" pela mídia. "Não vou virar as costas para vocês para não verem a quantidade de chibatadas que levei", afirmou. "Vocês sabem que sou homem de paz. Está chegando de parar com falatório e apresentar prova. Quero que mostrem um real meu fora do País. Provem um desvio de conduta, quando eu era presidente e depois da presidência. Quero que saibam que estou com muita vontade de brigar, para fazer boa briga", disse. "Se não sabem como sair das mentiras que inventaram, que se virem", afirmou novamente sobre a imprensa.
O ex-presidente destacou que, caso seja candidato à presidência em 2018, vai defender que se regulamente os meios de comunicação "Temos que dizer durante a campanha algumas verdades que são duras. Ser candidato, para depois dizer que você tem que jantar com os Marinho, almoçar no Estadão. E a Veja, você vai conversar? Não vou", disse em outro momento de sua fala. "Eles vão ter que aprender que estão lidando com um cidadão diferente, que tem mais honra e é mais honesto do que eles", continuou.
Lula afirmou que a solução para o País depende de credibilidade e de voto popular. "Não é possível um governo com credibilidade se ele não tiver voto popular", disse, referindo-se ao governo do presidente Michel Temer. "O ódio deles contra nós não é pelas coisas más que fizemos, é pelas coisas boas." Ele criticou que afirmações do governo de que os problemas atuais são uma "herança maldita do PT, pois, segundo ele, "ninguém fez mais para o povo pobre" do que a legenda. 
Apesar das denúncias contra o partido, Lula também declarou que "graças a Deus o PT está se reencontrando em ser oposição". "Vamos deixar para ser governo quando vencermos eleição em 2018 " O petista defendeu que o País precisa "voltar a funcionar", pois está "desgovernado". "Precisamos ter um poder Executivo que governe para o povo." 
Para Lula, não basta apenas ter maioria no Congresso para aprovar medidas econômicas, e sim ter um líder que saiba "cuidar de 204 milhões de pessoas, que precisam ser cuidados". "Se eu for indicado por vocês e se tudo der certo, não posso prometer fazer tudo o que já fiz, tenho que fazer mais", defendeu o petista. Entre as ações que tomaria, como candidato, ele ressaltou que privilegiaria relações internacionais com a América Latina e a África.

Hipertensão pode reduzir em 16 anos...

Postado por Luiz Washington . Publicado em Nacional

hiperç...a expectativa de vida; especialista do HGRS fala sobre a doença.

 

Comemorado em 26 de abril, o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial é uma importante data para falar sobre a doença capaz de reduzir em 16 anos a expectativa de vida do paciente que não segue tratamento adequado. O médico do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), em Salvador, Luiz Sérgio Alves Silva, que é especialista em cardiologia e hipertensão arterial, esclarece as principais especificidades do assunto.

 

Hipertensão arterial, conforme explica o profissional, é uma doença na qual a força que o sangue exerce sobre a parede das artérias está elevada a maior parte do tempo. Ou seja, acima de 140 mmHg, quando o coração se contrai (sístole; pressão máxima), ou acima de 90 mmHg, quando o coração se relaxa (diástole).

 

“A hipertensão é silenciosa. O paciente com pressão alta não sente nada. Muitas vezes, a doença é diagnosticada quando acontece uma complicação como infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral, o popular derrame. Daí, a importância de, ao menos uma vez ao ano, aferir a pressão arterial com um profissional da saúde”, afirma Luiz Sérgio.

 

Segundo o cardiologista, os idosos são mais propensos  a desenvolver hipertensão arterial: “se uma pessoa chega aos 69 anos de idade com pressão normal, o risco de ela ficar hipertensa até o final da vida é de 90%. A doença afeta tanto homens como mulheres. Crianças também podem desenvolver hipertensão, mas a frequência é menor que em adultos”.

 

Na capital baiana, a frequência de hipertensão na população adulta de 20 anos ou mais de idade é de 30%, sendo maior nas mulheres (32%) que nos homens (32%). Em negros, o número cresce: 32% em homens negros e 41% nas mulheres negras.

 

Os fatores de risco de hipertensão podem ser classificados como genéticos ou adquiridos. No caso de um ou ambos os pais serem hipertensos, o risco do paciente se tornar hipertenso aumenta. É a herança genética. Já entre os fatores de risco adquiridos, o mais importante é a obesidade. No entanto, deve-se considerar consumo excessivo de sal, consumo baixo de potássio (presente nos vegetais, principalmente crus), consumo baixo de cálcio (leite e derivados), sedentarismo, consumo excessivo de bebida alcoólica e o envelhecimento.

 

“Enquanto não ocorrer uma complicação da hipertensão, o paciente vive normalmente. Mas, se acontecer um acidente vascular cerebral, o dano físico pode ser permanente e grave, a exemplo de paralisias. Outra complicação relevante é o infarto do miocárdio, que causa grande número de mortes no nosso país e no estado da Bahia”, avalia o médico do HGRS.

 

O tratamento da hipertensão pode ser farmacológico, com remédios chamados de anti-hipertensivos, e não farmacológico, que envolve mudança do estilo de vida. As adequações na rotina são tão importantes quanto o uso de medicações. Um hipertenso que não se trata, tem, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma redução na expectativa de vida de até 16,5 anos.

 

Louise Cibelle