Realizado em Salvador encontro dos Comitês Afluentes do Rio São Francisco

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Sobradinho

IVEncontrodosComites Salvador 051017 ManuelaCavadas CAPA SITE“A Bacia tem solução, mas é preciso inverter a lógica do desmatamento, da destruição, da desocupação desordenada do solo, da degradação dos biomas, envolvendo sociedade civil, usuários da água, governos e comunidades tradicionais”. É com essa mensagem que o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda, deu início, nesta quinta-feira (05), ao Encontro dos Comitês Afluentes do Rio São Francisco, em Salvador (BA).

Pela primeira vez os comitês dos estados que receberão águas da transposição – seis no total – participam do evento, que está em sua quarta edição. Também estão presentes representantes de comitês afluentes, além de especialistas da Agência Nacional de Águas (ANA). A adesão, já confirmada neste primeiro dia, contribui para o objetivo do evento: promover a integração entre os diferentes atores sociais envolvidos com a gestão dos recursos hídricos.

Sobre a importância da iniciativa, Miranda destacou a importância de uma gestão descentralizada e participativa para o enfrentamento à crise hídrica: “precisamos criar uma grande unidade em torno do desafio de revitalização da Bacia do São Francisco, num esforço de integração. O encontro, que é o maior realizado até então, vai ao encontro dessa proposta.

Joaquim Gondim, da Superintendência de Operações e Eventos Críticos – SOE, da Agência Nacional de Águas (ANA), falou sobre a situação hidrológica na Bacia Hidrográfica do São Francisco, mostrando nuances da crise hídrica que afeta o Velho Chico. Ele alertou, por exemplo, sobre a tensão que deve ocorrer durante a transição do final do período seco para o início do período de chuva”.

Sobre a importância do evento, frisa: “é uma oportunidade para disseminar informações valiosas a diferentes atores, em um mesmo ambiente, o que contribui para a proposição enriquecedora de soluções”.

Ainda na manhã de hoje, Ana Catarina Pires de Azevedo, coordenadora da Câmara Técnica de Planos, Programas e Projetos (CTPPP) do CBHSF reforçou a importância de contemplar o Semiárido em ações voltadas ao São Francisco, sem um olhar que vitimize a região. Pelo contrário, o que ela propõe é valorizar o potencial transformador do sertão nordestino, chamando a atenção para diferentes alternativas de geração de energia – eólica e solar.

Também estiveram presentes na mesa de abertura desta manhã: Lessandro Gabriel, secretário do CBHSF; Maciel Oliveira, vice-presidente do CBHSF; Julianeli Tolentino, coordenador da Câmara Consultiva Regional (CCR) Submédio do Rio São Francisco; Honey Gama, coordenador CCR Baixo São Francisco; Ednaldo Campos, coordenador da CCR Médio do São Francisco; Affonso Albuquerque, coordenador do Fórum Nacional de Comitês de Bacia e Marcelino Galo, deputado estadual, representando o legislativo baiano.

Governança para revitalizar

A crise climática e ambiental é apenas um dos entraves enfrentados pelo Rio São Francisco. Questões relacionadas à gestão e governança, abordadas nesta manhã, são desafiadoras e precisam contemplar a diversidade de demandas com foco em promover a recuperação e a revitalização do Rio, de forma sustentável.

Manoel Ailton Rodrigues de Carvalho, do Quilombo de São Tomé, em Campo Formoso, noroeste da Bahia, corrobora com essa ideia. Também presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Salitre e membro da Bacia do Itapicuru, ele destacou que “ é importante o processo coletivo e participativo em tomadas de decisões, e não um movimento que venha de cima para baixo. Isso, é claro, além de cuidados com nascentes e manutenção das matas. É preciso rever também esse modelo de desenvolvimento agrícola que está piorando a situação e a questão dos barramentos irregulares que é um problema muito grande”, conclui.

O evento, que vai até esta sexta-feira, 06, acontece na semana de comemoração do aniversário do Rio São Francisco, que acaba de completar 516 anos. A realização é do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco.

Ascom CBHSF

Realizada I Copa Corinthians de futebol em Sobradinho

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Sobradinho

COPAA Prefeitura de Sobradinho, através da Secretaria de Turismo, Esporte e Cultura garantiu apoio logístico a I Copa Corinthians de Futebol de Base da Terra da Barragem que aconteceu no período de 7 a 10 de setembro, promovido pelo desportista João da Cruz, conhecido como"João Bala", um grande incentivador do futebol regional.

O evento contou com a presença de representantes do  Corinthians que selecionaram três atletas para fazer testes no clube, em São Paulo. Um dos atletas é natural de Sobradinho. 

Participaram do evento esportivo, 640 jovens atletas de toda região. Eles movimentaram a terra da barragem por quatro dias e foram bem recebidos pela população que prestigiou as competições indo ao Estádio Apolônio Sales. 

" Através deste evento nós já conseguimos formar muitos atletas e encaminhá-los para clubes profissionais, onde muitos já atuam e foram valorizados. É um trabalho social de grande importância para a juventude, onde descobrimos novos talentos e possibilitamos, através de parcerias que temos com grandes clubes, a realização do sonho destes jovens de despontarem no futebol nacional. Agradeço o apoio logístico da prefeitura, que nos entregou o campo em boas condições, iluminado, com estrutura de barracas. Precisamos manter este evento em Sobradinho, pois ele traz renda para o município e dá visibilidade a cidade ", declarou João Bala. 

 

Ascom PMS

Codevasf participa de debate no Congresso sobre a crise hídrica

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Sobradinho

presidentecodevasfcrisehidricaO presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Avelino Neiva, participou na tarde desta quarta-feira (6) da audiência pública da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas do Congresso Nacional. O objetivo foi discutir a crise hídrica na região do Vale do São Francisco e no reservatório da barragem de Sobradinho.

"Não se pode pensar em se resolver o problema hídrico do São Francisco se nós não tivermos uma opção dentro da própria bacia hidrográfica. A Codevasf possui um belíssimo estudo, feito há alguns anos, a respeito da construção de cinco grandes barragens que poderão suprir demandas hídricas do rio São Francisco", disse o presidente. 

Avelino Neiva destacou que a construção das cinco barragens é uma ação viável para a bacia, pois os investimentos seriam menores do que o de alternativas pensadas – como a transposição do rio Tocantins. "E o que é mais importante, todos os estudos de viabilidade econômica estão prontos, feitos pela Codevasf", acrescentou. 

O diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação da Companhia, Napoleão Casado, complementou a apresentação apontando algumas das ações emergenciais executadas pela empresa para diminuir os efeitos da seca e da estiagem prolongada na bacia do rio São Francisco. 

Segundo Napoleão Casado, desde 2015, entre as intervenções realizadas pela Codevasf estão as obras de desassoreamento em pontos críticos e a instalação de sistemas de bombeamento flutuante, que permitem a captação de água para os projetos públicos de irrigação, mesmo com a redução da vazão do rio São Francisco. Os investimentos nessas ações chegaram a R$ 47 milhões.

"Para garantir a segurança hídrica na bacia do São Francisco, principalmente  a segurança do abastecimento humano, a Codevasf tem realizado diagnósticos e mapeado a necessidade da execução de novas ações emergenciais", explicou o diretor de Irrigação. 

Das ações identificadas destacam-se a ampliação de redes de distribuição elétrica nos projetos públicos de irrigação e a perfuração e instalação de poços em municípios na área de atuação das oito Superintendências Regionais da Codevasf, além de obras de desassoreamento e instalação de flutuantes em outros trechos do rio São Francisco e projetos de irrigação. A atuação da Companhia na bacia do São Francisco abrange mais de 600 mil quilômetros quadrados, onde vivem cerca de 18,2 milhões de pessoas.

Além de Antônio Avelino, participaram como expositores da audiência pública Fernando José Carvalho de França, representando o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); Vicente Andreu Guillo, diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA); João Henrique de Araújo Frankilin Neto, diretor de Operações da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf); e Amauri José Bezerra da Silva, presidente do Conselho de Administração do Distrito de Irrigação Nilo Coelho (DINC). Eles também apresentaram as medidas para o gerenciamento da crise hídrica e as ações estruturantes em execução ou necessárias na bacia do rio São Francisco.

Acompanharam os debates no Congresso Nacional os diretores da Codevasf Inaldo Guerra (Revitalização) e Marco Aurélio Diniz (Desenvolvimento e Infraestrutura), além dos assessores da Presidência da Companhia Athadeu Ferreira, Márcio Adalberto Andrade e Guilherme Almeida, entre outros técnicos da empresa.

Ascom Codevasf Foto Divulgação

Lago de Sobradinho, antes e agora

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Sobradinho

usina hidreletrica de sobradinho baA Agência Nacional de Águas autorizou um novo corte na vazão do Rio São Francisco, que já estava no nível mais baixo em 38 anos. O objetivo da redução da vazão é evitar que os reservatórios ao longo do Rio São Francisco cheguem ao volume morto até o fim de 2017. Sobradinho, está com 8% da capacidade. Na hidrelétrica de Xingó, entre Alagoas e Sergipe, o São Francisco parece mais um canal. Os barcos maiores não conseguem navegar. “Triste o Rio São Francisco hoje. A gente vê ele nessa situação, coisa que a gente nunca viu”, lamenta o pescador José Cloves Gomes da Silva.

Se a vazão continuar sendo reduzida, poderá acontecer o que os especialistas chamam de efeito cascata. Geração de energia comprometida, barcos de médio porte não poderão navegar, e até a irrigação poderá ser suspensa mais de uma vez na semana, isto já acontece nas quarta-feiras, comprometendo toda a economia ribeirinha.

Em 1992, Sobradinho chegou a liberar mais de dez mil metros cúbicos por segundo. Mas, desde então, a vazão vem diminuindo. Agora, a Agência Nacional de Águas autorizou a redução para 580 metros cúbicos por segundo. A medida afeta mais de quatro milhões de pessoas que dependem do Rio São Francisco.

“É um grande sofrimento e uma grande preocupação para nós, que somos gestores de água do Rio São Francisco, e também para a população ribeirinha”, afirma o presidente em exercício do Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco, Maciel Oliveira.
                   
“Todos os usuários estão sendo impactados e estão fazendo adequações no sentido de minimizar toda essa questão dessa problemática de pouca água na bacia do São Francisco”, explica o diretor de Operações da Chesf, João Henrique Franklink.

O medo de seu Antônio é o desaparecimento de um dos rios mais importantes do país. “Pela tendência que vai talvez esse rio, acho que meus netos na minha idade não vão ver mais esse rio. Vai ser somente, sei lá, um riacho”, diz o artesão Antônio Francisco Santos.

com Informações Arquivo JN

Sobradinho investe em implantação do JEEP nas escolas

Escrito por Luiz Washington . Publicado em Sobradinho

thumbnail JEPPFormar empreendedores, este é o objetivo do programa Jovens Empreendedores Primeiros Passos - JEPP, desenvolvido pela Prefeitura de Sobradinho, através da Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a Sala do Empreendedor e SEBRAE.

Na noite de ontem (22), mais uma edição do programa foi lançada no auditório do Celem, com a presença de educadores, estudantes, familiares, gestores escolares e pessoas da comunidade. 

O JEEP utiliza uma metodologia que dissemina a cultura empreendedora e orienta para o plano de negócios, de maneira a estimular comportamentos empreendedores entre crianças e adolescentes, incentivando-os para a prática do empreendedorismo e protagonismo juvenil.

Através da formação proposta pelo JEPP, a gestão planeja o futuro do município, já que o programa prepara os novos empreendedores. Eles que irão investir e fomentar a economia local.

A ideia do programa é utilizar o espaço escolar para, desde cedo, desenvolver o espirito empreendedor nos alunos. 

Os professores envolvidos no projeto recebem capacitação e os alunos participam de diversos cursos e oficinas, a exemplo de produção de ervas aromáticas, temperos naturais, confecção de brinquedos ecológicos, locadora de produtos, sabores de cores, ecopapelaria, artesanato sustentável, empreendedorismo social e novas ideias, grandes negócios, entre outros.

“Trabalhei com o JEPP EM 2015 com turmas do quinto ano e percebi a mudança no comportamento de cada aluno que participou do programa. Portanto, isso mostra a importância da escola trazer uma visão diferente e que estimule a capacidade criativa do estudante e o ensine a explorar novos horizontes durante sua formação escolar.” declarou a professora Elza Limoeiro de Lima.

Os pais revelam que já sentem mudanças no comportamento dos filhos “Como mãe posso dizer que percebi mudanças no comportamento do meu filho, pois ele se tornou mais interessado, chegou em casa com novos saberes, passou até a fazer economias, aprendeu a trabalhar com artesanato e até a cozinhar. Tudo isso graças ao JEPP, pois nós como pais, nem sempre podemos ensinar aos nossos filhos tudo o que se vê aqui. Este programa está fazendo a diferença para meu filho e para a minha família e tenho certeza que vai fazer ainda mais.”  disse Maria Auxiliadora de Jesus Alves, mãe de aluno da rede municipal.

Mais uma vez a Prefeitura de Sobradinho adere ao programa que já faz a diferença no processo ensino- aprendizagem “Sobradinho figura entre os 4 municípios da Bahia que se destaca pela visão empreendedora e pelo desenvolvimento de ações nesta área. Graças ao empenho do Prefeito Luiz Vicente, mais de 2 mil alunos estão sendo contemplados com o JEPP.  A presença de estudantes, professores e principalmente da família neste lançamento de hoje, mostra a importância do programa e nos estimula a investir nesta formação que dinamiza a cultura empreendedora.” ressaltou a Secretária de Educação, Ducilene Kestering.

 

Ascom PMS